Redução de Custos Programada x Competitividade

Redução de Custos exige Planejamento e muito CUIDADO

Este final de semana foi dedicado á ressaca da Formóbile 2016, uma ode à Morfeu. Depois de tanto tempo ausente deste Blog finalmente retorno agora com algumas novidades pontuais antes de iniciar o tema deste artigo propriamente dito. Agradeço o carinho recebido pelo Cláudio Perin do Portal do Montador nos stands por onde passamos, o Cláudio Perin consultor acabou ficando reservado às conversas de corredor e ao Painel (bate-papo) no stand da Alternativa Editorial ao final da quarta-feira (27/07).

O motivo desta longa ausência foram os projetos particulares que tomaram dimensões maiores do que um dia pude acreditar inicialmente. Mercado restrito, poucas pessoas e muito trabalho, não tem sido diferente daquilo que todos andam enfrentando, sempre com a mesma determinação de quem sabe onde quer e precisa chegar.

Sou antigo…Algumas novas atitudes de novos participantes do mercado de trabalho no decorrer da Formóbile este ano me causaram estranhamento. Funcionários de empresas inclusive em dificuldade, com bebida alcoólica nos stands antes das 15 horas… Será que este indicador de comprometimento explica alguma coisa? Antigamente o chopp era liberado depois das 18 horas. Enfim, vivemos tempos modernos, devo eu ser o errado da história! Se o dono aceita, quem sou eu para questionar a nova educação.

Agora pois vamos ao nosso trabalho de construção mental e conceitual. Sim, ainda estamos em tempos de crise, mas a feira mostrou que ventos de mudança se aproximam. Sabe-se contudo que a retomada será bem mais lenta que o naufrágio econômico vivido até então. Mas ela vem e já acena com alguns movimentos dos players da cadeia moveleira.

Contudo, até que o fato seja concreto, é tempo de ganhar tempo e isto exige raciocínio e muito cuidado. O bate papo sobre a redução de custos aconteceu para uma pequena platéia, porém foi intenso e gratificante na medida em que a seriedade das ideias abordadas era digerida pelos amigos que fiz em pouco mais de uma hora de reflexões estratégicas.

Abri o bate papo relembrando que Plano de Corte, CAD, ERP, Lojas Virtuais, Imagens Renderizadas, tudo isto já foi um dia considerado desnecessário ou pouco importante na linha do tempo por alguns empresários, os mesmos que depois tiveram que correr atrás do prejuízo. Terminei a abertura refletindo que a OEE, a bola da vez, também segue na mesma linha de compasso de espera. Nosso segmento tem suas peculiaridades.

O segundo bloco foi a abordagem dos 6 Ms do Sistema Toyoda (década de 80) e a gente ainda fala nisso. Para quem esqueceu, Máquinas, Mão-de-Obra, Matérias-Primas, Métodos de Fabricação, Moeda e Meio Ambiente. Reforçamos que Moeda não é resultado, MOEDA é recurso de gestão estratégica. Uma empresa com caixa COMPRA sua concorrente sem o mesmo recurso. O Meio Ambiente é o fator decisivo para a construção da estratégia organizacional.

No decorrer do Painel expliquei o motivo pelo qual a Arthur Andersen,  a maior empresa de consultoria da história, desapareceu em 2008 na crise imobiliária americana devido a um balanço empresarial maquiado para um banco. O VALOR desta empresa era sua a credibilidade…Neste mesmo bloco, pudemos destacar a importância do departamento de P&D para a Du Pont, líder pela inovação assim como 3M e outros.

À partir deste momento, o clima já era propício para exemplificar como algumas empresas do segmento moveleiro  do Brasil cresceram de 2011 até o presente, dentro de um ambiente hostil. Isto aconteceu porque elas enxergaram um caminho e o seguiram fielmente do começo ao fim, o que de fato fez toda a diferença.

Dentre os diversos motivos que explicam este crescimento, tentei focar nos elementos relacionados ao ambiente industrial e neste momento o Sistema Lean foi aquele decisivo dentro de um ambiente de crise sistematizada. Uma empresa que não gerencia as 6 grandes perdas corre um enorme risco financeiro. Aliás,  em economias recessivas, a gestão financeira toma o papel central no andamento do negócio.

Relembrando também para quem já esqueceu. As 6 grandes perdas do Sistema Lean

  1. Perda por Quebras
  2. Perda por Setup e Ajustes
  3. Perda por Pequenas Paradas (Minha malvada favorita)
  4. Perda pela Baixa Velocidade (A malvada favorita do Comercial)
  5. Perda pela Qualidade Insatisfatória
  6. Perda com Start Up/ Início de Lote

Feito isto, era chegada a hora de apresentar a receita do bolo. Sim, todos queriam a receita. Então vamos à ela…

  1. Estruturar os 6M e criar os Indicadores de gestão (Cuidado com a cópia, seja original)
  2. Cuidar de seu Produto (P&D)
  3. Agir nas Grandes Perdas (Lean/OEE)
  4. Observar a empresa globalmente mas agir Pontualmente
  5. Eliminar as atividades Redundantes
  6. Aprimorar as interfaces entre as Atividades Fundamentais
  7. Formar um time de funcionários Vendedores
  8. Incentivar e SUSTENTAR a cultura idealizada

Neste grato momento um dos participantes complementou. “A empresa não vive de vendas, ela vive do LUCRO das vendas”…Perfeito!

Quase finalizando nosso bate papo, antes do social, era hora de olhar para o futuro. Então o que tem a empresa do futuro?

  1. Papéis claramente definidos
  2. Papéis Complementares (Não à guerra de egos)
  3. Todos são vendedores de alguma maneira
  4. Atividades possuem Follow Up e Check List, nada anda solto por aí.
  5. Metas não atingidas são estudadas para aprimorar o planejamento. Não à lamentação!
  6. Ambiente empresarial: Cordialidade Sim, Complacência Não
  7. Maus projetos não deveriam ter sido aprovados. O rei está nú?
  8. O sol brilha para todos, quem usa protetor solar desfruta os benefícios e não sofre os malefícios

Para complementar, não acredite em meias verdades. Em um mercado que retraiu 30% simplesmente aumentar Market Share não resolve crise alguma. Porque? Os números não mentem…

Suponha um mercado base 100 onde você tem 20% do mercado. Se ele muda para base 70, você tem agora 14. Oras, para ficar do mesmo tamanho precisa crescer 6 sobre 14, ou seja, crescer 42,85% em plena crise…Francamente, e tem gente que ainda dá ouvido a este tipo de baboseira. Então não existe mágica, a ginástica é grande mesmo. A empresa precisa ser repensada em cada um dos menores detalhes. Aumentar o Market Share seria apenas uma das MUITAS ações válidas e necessárias. A redução de custos é um caminho seguro e obrigatório.

A parte boa de tudo isso…Quando o inverno passar, a formiguinha poderá ter alguns poucos dias de vida de cigarra. Sua empresa estará vendendo saúde e esbanjando vitalidade.  Obrigado aos leitores deste espaço.

Cláudio Perin

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Register New Account
Reset Password
WhatsApp chat WhatsApp